Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente

Vazão vem diminuindo gradualmente e mais rápido do que o previsto. André Ávila / Agencia RBS

Número segue diminuindo; reportagem acompanhou medição de grupo de pesquisadores da UFRGS.

Além da diminuição do nível da água após 29 dias, a vazão (volume d’água que escoa pelo canal ao longo do tempo) do Guaíba segue diminuindo nesta sexta-feira (31).

Na seção em frente à Usina do Gasômetro, até a Ilha da Pintada, a vazão está em 7,97 milhões de litros por segundo, conforme medição realizada por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

É a menor vazão registrada desde o pico da enchente.

A reportagem acompanhou o grupo de pesquisadores do Instituto de Geociências e do Instituto de Pesquisas Hidráulicas, ambos da UFRGS, em um trajeto de barco pelo Guaíba nesta manhã gelada e enevoada em Porto Alegre.

Os especialistas e técnicos mediram a vazão, a velocidade e os sedimentos no corpo hídrico. A embarcação foi guiada pelo piloto Márcio Silva, 47 anos, que, após ter tido a casa inundada na Ilha Mauá, atualmente mora no barco e tem conduzido a equipe da universidade.

A média normal de vazão do Guaíba varia entre 1 e 2 milhões de litros por segundo.

No pico da inundação, entre os dias 5 e 6 de maio, os técnicos chegaram a medir valores superiores a 30 milhões de litros por segundo.

— Mostra que o sistema está esvaziando. A boa notícia aqui do norte é essa, a vazão está diminuindo porque já tem menos água no sistema. E a outra boa notícia é que lá no sul, em Rio Grande, a vazão lá continua elevada. Os colegas da FURG (Universidade Federal de Rio Grande) estão medindo 20 milhões, aí o sistema todo começa a esvaziar — explica o professor.

A vazão vem diminuindo gradualmente e mais rápido do que o previsto, conforme o professor. Houve uma redução significativa de mais de um milhão de litros por segundo na última semana.

Se prosseguir no ritmo atual, sem chuva e sem represamento pelo vento, a estimativa é de que retorne à medição normal nos próximos 10 dias, com redução de cerca de mais um metro do nível.

A lentidão no esvaziamento está diretamente relacionada à questão de circulação, que é diferente (fluvial) em relação à Lagoa dos Patos (lagunar).

A Bacia Hidrográfica do Guaíba tem 84 mil quilômetros quadrados. Ela começa nas nascentes dos rios Jacuí, Taquari, Sinos, Gravataí e Caí, que convergem para a região do Guaíba, parte final desse sistema.

O professor Elírio Toldo Jr, do Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica (Ceco) e do Instituto de Geociências (Igeo) da UFRGS, ressalta a importância de ter dados numéricos medidos em campo.

Os dados são medidos na seção do Gasômetro por praticidade logística, pois o levantamento é realizado rapidamente, de modo a se obter valores representativos das vazões no curso final do sistema fluvial.

4975797_ea5c5030a72ba75 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Para medir a vazão e a velocidade, utiliza-se um sensor ultrassom de última geração. André Ávila / Agencia RBS

 

4975785_9d82fb203414835 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Trata-se de uma espécie de prancha que é amarrada no barco e colocada na água. André Ávila / Agencia RBS

 

4975792_cf9606df3924d09 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Barco movimenta-se lentamente pelo Guaíba para captar os dados.   André Ávila / Agencia RBS

 

4975796_9fe5809d2f1ddf3 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Equipamento mede a distância percorrida e a profundidade do leito. André Ávila / Agencia RBS

 

4975781_d6604d0a9fc4056 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Além da distância percorrida e a velocidade do leito, também é medida a velocidade da água naquele momento.
André Ávila / Agencia RBS

 

4975783_b8ac921026c5a00 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Uma garrafa com água do Guaíba é utilizada para medir a quantidade de sedimentos.   André Ávila / Agencia RBS

 

4975791_cd199e9e5e11971-1 Com quase 8 milhões de litros por segundo, Guaíba atinge menor vazão desde o pico da enchente
Embarcação foi guiada pelo piloto Márcio Silva, 47 anos, que, após ter tido casa inundada, atualmente mora no barco. André Ávila / Agencia RBS

 

Como é feita a medição no Guaíba

Para medir a vazão e a velocidade (que é de 80 cm/s), utiliza-se um sensor ultrassom de última geração – uma espécie de prancha que é amarrada e colocada na água. O barco movimenta-se lentamente pelo Guaíba para captar os dados.

— É um equipamento que usamos no mar, mas vimos que não podíamos deixar de registrar (a enchente) — explica Toldo Jr.

O equipamento mede a distância percorrida e a profundidade do leito – os dois dados geram a medida da área. Também é medida a velocidade da água naquele momento.

— Com a área que está sendo medida multiplicada pela velocidade, a gente acha a vazão, e é isso que esse equipamento mede — explica Aron Funke, técnico em hidrologia que monitora os dados no computador a bordo.

Já para medir a quantidade de sedimentos, os pesquisadores utilizam duas técnicas: uma sonda multiparâmetros, que fornece instantaneamente valores de turbidez, pH e temperatura; e uma garrafa, que é cuidadosamente preenchida com uma amostra da água do Guaíba. Quanto maior a turbidez, maior a concentração de sedimentos – esta é analisada em laboratório, filtrando a amostra.

Nesta sexta-feira, a turbidez média medida foi de 6,77 mg/L. No pico da enchente, no dia 5 de maio, o valor foi de 22,0 mg/L. Os dados também são úteis para entender a quantidade de sedimentos que irão para o sul do Estado.

Os dados são fundamentais, frisa Nilza dos Reis Castro, professora do IPH. Eles são utilizados para calibrar os modelos e para fazer previsões – alguns modelos utilizam apenas a cota para prever o nível, enquanto outros utilizam a vazão. Um ex-professor da UFRGS, por exemplo, está rodando modelos com os dados fornecidos pela equipe. Os modelos vão sendo testados para melhorar as previsões.

— A gente usa esse dado a curto prazo, hoje mesmo o professor passa os dados para uma professora da FURG, que já utiliza lá para fazer a previsão dos níveis da Lagoa dos Patos. A médio prazo, esses dados vão ser usados na tese de doutorado de um pesquisador que está aqui. A longo prazo, certamente vai ser usado por mais de 100, 200 anos, que a gente nem imagina — afirma.

Com as mudanças climáticas, a hidrometria (medição de vazão e do nível), a medição de chuva e as estações meteorológicas são imprescindíveis e deveriam ser rotineiras para a gestão da bacia, conforme a professora. Investimento em recursos, equipamentos e pessoal são extremamente necessários – e “não apenas no momento da tragédia”, salienta.

 

gauchazh.clicrbs.com.br

Guia Serra e Litoral só R$ 20 POR ANO
Estamos em faze de lançamento, Anuncie Conosco preço promocional

Quer ficar por dentro sobre as principais notícias do Brasil e do mundo? Siga o Serra e Litoral nas principais redes sociais. Estamos no Twitter, Facebook, Instagram e YouTube. Tem também o nosso grupo do Telegram e Whatsapp.

Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?

Olá, Seja bem-vindo!
Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?
𝐀𝐜𝐞𝐬𝐬𝐞, conheça e fique bem informado(a) dos acontecimentos do 𝐃𝐈𝐀-𝐃𝐈𝐀.

Osório na Web e Portal Serra e Litoral Juntos.
Segue o Link da Página

Página Osório na Web

Redes do Grupo Fortes Publicidade
Notícias atualizadas 24h.

Receba as principais notícias do Portal Serra e Litoral no seu WhatsApp

Notícias Relacionadas