Próximas duas semanas devem ser de sol e tempo seco no RS, projeta meteorologista do Inmet

Sol voltou a aparecer na Capital nesta quarta-feira. Régis Silva / Sulnalente/Divulgação

Chuva isolada e com baixa intensidade entre o final do próximo domingo (2) e o início de segunda-feira (3) deve ser o único registro de instabilidade nos próximos 10 dias. Junho deve ter período de “veranico” antes da chegada de frente fria.

“Felizmente, sim”, disse o meteorologista Marcelo Schneider, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ao ser questionado pelo apresentador Leandro Staudt da Rádio Gaúcha se o “pior momento” da crise climática que atinge o Rio Grande do Sul desde o fim de abril já passou. Schneider projetou tempo predominante seco no Estado pelos próximos 10 dias, com ocorrência de chuva apenas uma vez no período.

Ao menos 469 municípios foram afetados pelos temporais que atingem o Estado desde o fim de abril. Até o momento, a chuva causou 169 mortes e mais de 600 mil pessoas seguem desabrigadas. Em Porto Alegre, maio foi o mês mais chuvoso desde 1916, com registro de 539,6 milímetros de chuva até a manhã desta quarta-feira (29).

Neste momento de retomada, a boa notícia é que não há previsão de chuva intensa nos próximos dias. Em entrevista ao Gaúcha Mais desta quarta, Marcelo Schneider projetou tempo firme, com temperatura agradável

— Pelo menos esses próximos 10 dias, talvez duas semanas, nós vamos ter só um evento de chuva, um chuvisco muito isolado, no final do domingo para a segunda-feira. Uma frente fria passa, mas em princípio ela não deve provocar os volumes de chuva, só alguma instabilidade — salientou.

Em junho, os termômetros devem alternar entre temperaturas altas e baixas. Conforme o meteorologista, há possibilidade de um período de veranico na metade do mês, antes de chegada de uma nova frente fria ao Estado, com dois ou três dias mais quentes. Após o calor, a instabilidade deve voltar ao RS, especialmente à Região Norte.

Schneider explica que a instabilidade que atingiu níveis históricos no Estado durante maio tem influência do El Niño, que bloqueia a chegada de frentes frias, e do aquecimento da água dos oceanos, que traz umidade ao RS.

— Foram basicamente três fatores. Um El Niño de intensidade forte, que começou lá na segunda metade do inverno do ano passado. Mas além do El Niño, desde o ano passado a gente tem esse bloqueio muito quente, o ar seco e quente que tomou conta do Brasil central (…) E além desse fator, a gente pode colocar na conta das mudanças climáticas, principalmente os oceanos. Teve nesses últimos meses o oceano Atlântico Norte. Lá na região próximo do Caribe, na costa do Brasil, na região Norte e Nordeste, a água muito aquecida. É de lá que vem o vento quente e úmido de Nordeste, ele atravessa toda a região da Amazônia e vem abastecer esse canal de umidade da Amazônia e chegar até o Rio Grande do Sul — explicou.

O meteorologista também explicou sobre o funcionamento dos pluviômetros, ferramenta que calcula o volume de chuva, e falou sobre os serviços do Inmet.

Abaixo, escute na íntegra o Gaúcha Mais desta quarta-feira, realizado diretamente da sede do Inmet em Porto Alegre, com participação de Marcelo Schneider:

*Produção: Lucas de Oliveira

 

gauchazh.clicrbs.com.br

 

 

Guia Serra e Litoral só R$ 20 POR ANO
Estamos em faze de lançamento, Anuncie Conosco preço promocional

Quer ficar por dentro sobre as principais notícias do Brasil e do mundo? Siga o Serra e Litoral nas principais redes sociais. Estamos no Twitter, Facebook, Instagram e YouTube. Tem também o nosso grupo do Telegram e Whatsapp.

Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?

Olá, Seja bem-vindo!
Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?
𝐀𝐜𝐞𝐬𝐬𝐞, conheça e fique bem informado(a) dos acontecimentos do 𝐃𝐈𝐀-𝐃𝐈𝐀.

Osório na Web e Portal Serra e Litoral Juntos.
Segue o Link da Página

Página Osório na Web

Redes do Grupo Fortes Publicidade
Notícias atualizadas 24h.

Receba as principais notícias do Portal Serra e Litoral no seu WhatsApp

Notícias Relacionadas