O papel da educação ambiental no enfrentamento às mudanças climáticas

Na educação básica, especialistas apontam a importância de trabalhar com os estudantes as particularidades de cada território, pensando medidas preventivas e adaptativas às mudanças climáticas. | Foto: Mauro Schaefer

Estudos técnicos e científicos se mostraram pouco utilizados para evitar a tragédia.

A crise ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul no mês de maio trouxe à tona a discussão sobre os estudos técnicos e científicos que já alertavam sobre as possibilidades de inundações no Estado.

De importância indiscutível, os estudos se mostraram pouco utilizados para evitar a tragédia, segundo pontuam especialistas, que reforçam a necessidade de tornar a educação ambiental política permanente na sociedade, das escolas aos gabinetes de decisão.

O Plano de Proteção contra Cheias, por exemplo, foi entregue em 2018 pela Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan) a prefeitos gaúchos, que já apontava riscos e soluções para as cheias da Bacia do Rio Gravataí, da Bacia do Rio dos Sinos, da Sub-bacia do Arroio Feijó e do Delta do Jacuí.

Antes disso, diversas pesquisas produzidas nas universidades gaúchas contemplavam os efeitos das mudanças climáticas no território brasileiro, apontando para o aumento das precipitações na região Sul.

Nesse contexto, em ocasião do dia do geógrafo, no último dia 29 de maio, a Sociedade Brasileira de Geologia promoveu uma aula aberta no seu canal do Youtube abordando as particularidades da crise no território gaúcho.

Na exposição do geólogo e professor da UFRGS, Rualdo Menegat, fica claro o potencial catastrófico causado pela ocupação urbana em diversas regiões de vales e cânions do Estado, como é o caso do município de Roca Sales, localizado logo abaixo de um ponto de confluência do Rio Jacuí.

Um dos autores do Atlas Ambiental de Porto Alegre, obra considerada o mais completo acervo de dados de um município no mundo, Menegat alerta para a importância das ações de educação ambiental nas escolas e também para os programas preventivos de Defesa Civil, que atuam na educação das populações de áreas de risco para mitigação de impactos sociais e atuação adequada em caso de emergência.

Nesse sentido, é importante trabalhar com os estudantes da educação básica as particularidades do território, com metodologias que sejam diretamente associadas ao ambiente local das comunidades em que os alunos estão inseridos.

Uma metodologia eficaz, segundo Menegat, é a utilização de imagens aéreas e a construção de mapas e maquetes pelos próprios alunos, para que eles reflitam sobre o próprio espaço, reconhecendo a geografia local, possíveis riscos e ações de proteção socioambiental.

Segundo Menegat, a atual crise do Rio Grande do Sul tem características hidrogeoclimáticas e socioambientais. O Atlas Ambiental de Porto Alegre, por exemplo, reúne todas estas características da Capital.

O próprio material foi montado com base em dados fornecidos por técnicos da prefeitura. Este conhecimento, porém, não chegou a ser utilizado como base para elaborar medidas de prevenção e manejo dos impactos das mudanças climáticas no município, pontua o especialista.

 

Correio do Povo

Guia Serra e Litoral só R$ 20 POR ANO
Estamos em faze de lançamento, Anuncie Conosco preço promocional

Quer ficar por dentro sobre as principais notícias do Brasil e do mundo? Siga o Serra e Litoral nas principais redes sociais. Estamos no Twitter, Facebook, Instagram e YouTube. Tem também o nosso grupo do Telegram e Whatsapp.

Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?

Olá, Seja bem-vindo!
Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?
𝐀𝐜𝐞𝐬𝐬𝐞, conheça e fique bem informado(a) dos acontecimentos do 𝐃𝐈𝐀-𝐃𝐈𝐀.

Osório na Web e Portal Serra e Litoral Juntos.
Segue o Link da Página

Página Osório na Web

Redes do Grupo Fortes Publicidade
Notícias atualizadas 24h.

Receba as principais notícias do Portal Serra e Litoral no seu WhatsApp

Notícias Relacionadas