Veranistas aproveitam trilha do Morro de Itapeva e aprendem sobre a biodiversidade local em Torres

Como parte da Operação Verão Total, a Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), por meio da Assessoria de Educação para a Sustentabilidade (Assea), está percorrendo o litoral gaúcho, de Norte a Sul, com o intuito de sensibilizar os veranistas sobre a importância da preservação dos recursos naturais.

Nesta semana, quem passa pela Praia da Guarita, em Torres, tem a oportunidade de conhecer a biodiversidade local por meio de atividades lúdicas e pode, além disso, partir para uma trilha ecológica em meio ao bioma Mata Atlântica no Parque Estadual do Itapeva. O passeio é gratuito.

O parque tem cerca de mil hectares de extensão e é uma das 24 Unidades de Conservação (UCs) do Estado, estando a poucos minutos, de carro, da Guarita. No Peva, como é carinhosamente chamado, os visitantes entram em contato com espécies endêmicas de plantas e animais a partir de trilhas guiadas.

“Itapeva é uma unidade muito especial porque tem vários ambientes que devem ser protegidos, com diferentes espécies de flora e fauna associadas. Abriga, assim, uma biodiversidade gigantesca”, avalia a analista ambiental do parque Danúbia Pereira do Nascimento.

A UC, instituída pelo Decreto Estadual n° 42.009/2002, se propõe a preservar uma paisagem característica da planície litorânea do Estado, formada por dunas, vegetação de restinga, campos secos e alagados, banhados, afloramentos rochosos e mata paludosa (floresta formada sobre solos úmidos).

 

Litoral para além da praia

Opção de passeio para quem deseja descobrir a cidade de Torres para além da praia, a Trilha do Morro de Itapeva vem atraindo visitantes diariamente desde segunda-feira (5/2), quando teve início a ação na Praia da Guarita. Exclusivamente nesta semana, o deslocamento da praia até o parque está sendo oferecido pela Sema, de forma gratuita.

Na quarta (7/2), a van ficou lotada de turistas. Quinze moradores das cidades de Glorinha, Gravataí, Porto Alegre, Pelotas e também da Argentina compuseram o grupo de “trilheiros”.

“Tiramos o dia para descansar e aproveitar. Não temos esse contato com a natureza no dia a dia, e as pessoas às vezes não sabem cuidar e dar valor”, comenta a funcionária pública Núbia Helena Barbosa, de 44 anos, que participou acompanhada da filha, de 11.

A trilha ecológica é leve – indicada para crianças e idosos. No trajeto do morro até a Praia de Itapeva, onde é possível avistar a pedra que dá nome à UC, os visitantes percorrem a mata, testemunhando a transição entre ambientes e a interação entre espécies. O mirante de madeira montado sobre as dunas garante um visual digno de foto.

Toda a atividade dura cerca de 3h, com muitas paradas para explicações no caminho. Embora não tenham aparecido, os animais que habitam a UC garantiram a trilha sonora do passeio. A Mata Atlântica é morada para o macaco-prego, o gato-do-mato, a lontra e o mão-pelada, entre tantas outras espécies. Destaque também para o sapinho-de-barriga-vermelha, anfíbio ameaçado de extinção que só é encontrado no trecho entre o Litoral Norte gaúcho e o extremo sul de Santa Catarina, sendo o Peva a única unidade em que está protegido.

“Foi muito legal e emocionante. Aprendemos bastante”, definiu o consultor de negócios Tiago Teixeira, que visitou o local mais de uma vez, movido pela curiosidade. “No fim, a gente sabe que tem de preservar e usar os recursos naturais da melhor forma possível.”

A ação especial realizada pela Sema em Torres termina nesta quinta-feira (8/2), mas, ao longo do ano, é possível agendar trilhas guiadas junto à administração do Itapeva. As visitas programadas são limitadas a grupos de 15 pessoas. O contato pode ser feito por e-mail (peitapeva@sema.rs.gov.br) ou telefone/WhatsApp (51 3626-3561).

 

Conhecer para preservar

As demais atividades de educação ambiental oferecidas no estande montado na Praia da Guarita já atraíram mais de 300 veranistas desde o início da semana.

No “observatório de aves”, as crianças podem “avistar” espécies usando um monóculo e, depois, tentar identificar o animal conforme o catálogo fornecido. Os pais aproveitam para explicar aos filhos como funciona o objeto em formato de cone, que antigamente servia para visualizar fotos de família.

“Procuramos utilizar uma metodologia mais lúdica, com uso de jogos e também conversa, buscando sensibilizar as pessoas sobre temas relacionados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, explica a coordenadora da Assea, Mariela Inês Secchi. “Focamos em preservação dos recursos naturais terrestres e aquáticos, biodiversidade, água e saneamento, além de mudanças climáticas.”

O estande também recebeu um ecoponto do Programa Sustentare, vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), para depósito de resíduos eletrônicos e óleo de cozinha. A iniciativa faz parte da Operação Verão Total, do governo do Estado, e conta com parceria da Prefeitura de Torres e do Grupo de Estudos dos Mamíferos Aquáticos (Gemars), que contribuíram com materiais educativos adicionais para o estande da Guarita.

 

Próximo destino

A próxima parada da equipe da Sema será em Tramandaí, nos dias 20 e 21 de fevereiro, e em Cidreira, no dia 23.

Na ocasião, haverá visitação ao Horto Florestal.

O estande de educação ambiental já passou pela Praia do Cassino, em Rio Grande, e pela Praia do Laranjal, em Pelotas.

 

jplitoral.com.br

 

Onde Ir

Dicas de Onde Ir, na Serra ou no Litoral
Onde Ir