Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas

Enquanto alguns produtos tradicionais na beira da praia não aumentaram de preço em relação ao ano passado, outros ficaram mais caros. Camila Hermes / Agencia RBS

GZH circulou pela beira da praia em Tramandaí e Capão da Canoa e constatou grande variação de preços.

Veranear no Litoral Norte é sinônimo de picolé, queijo coalho, caipirinha, cerveja e frutos do mar — servidos em porções ou em pastéis. Enquanto alguns produtos tradicionais na beira da praia não aumentaram de preço em relação ao ano passado, outros ficaram mais caros. Os veranistas têm opiniões divididas quanto aos valores cobrados. Alguns não veem problema e consideram normal um aumento devido ao repasse de custos.

— O preço está bom, está acessível, como no ano passado. As coisas têm de subir, não adianta — reconheceu Vitor Martins, 60 anos, empresário de Canoas que curtia a praia de Tramandaí no sábado (30) ao lado da esposa Fátima França, 67, com milho, salgadinho, cerveja e picolés comprados à beira-mar.

4888376_34026bbff8b46a5 Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
Produto que tem maior variação de preços é o picolé.   Camila Hermes / Agencia RBS
4888369_6016da765903a3a Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
Dois quiosques consultados pela reportagem de GZH conseguiram manter os mesmos preços do último verão.
Camila Hermes / Agencia RBS
4888380_2df1e506601a45f Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
Enquanto alguns produtos tradicionais na beira da praia não aumentaram de preço em relação ao ano passado, outros ficaram mais caros.   Camila Hermes / Agencia RBS

Veranear no Litoral Norte é sinônimo de picolé, queijo coalho, caipirinha, cerveja e frutos do mar — servidos em porções ou em pastéis. Enquanto alguns produtos tradicionais na beira da praia não aumentaram de preço em relação ao ano passado, outros ficaram mais caros. Os veranistas têm opiniões divididas quanto aos valores cobrados. Alguns não veem problema e consideram normal um aumento devido ao repasse de custos.

— O preço está bom, está acessível, como no ano passado. As coisas têm de subir, não adianta — reconheceu Vitor Martins, 60 anos, empresário de Canoas que curtia a praia de Tramandaí no sábado (30) ao lado da esposa Fátima França, 67, com milho, salgadinho, cerveja e picolés comprados à beira-mar.

No entanto, dois quiosques consultados pela reportagem de GZH conseguiram manter os mesmos preços do último verão. No Amo Tramandaí, por exemplo, os itens mais procurados nesta temporada são caipirinha de limão, porção de violinha, milho e coco.

— Cada um tem um custo, funcionário, mercadoria. A gente conseguiu comprar no mesmo preço do ano passado — ressaltou Jeferson Ferreira, 46, proprietário, ao lado da esposa Fabiana Santos, 40.

Proprietária do Quiosque da Magrinha há 45 anos – o mais antigo –, Maria Santa Medeiros, 68 anos, não repassou todos os custos aos consumidores. Os itens mais caros dos cardápios costumam ser aqueles com peixe na receita.

— Nem estamos passando, porque tu compra as coisas e tudo está aumentando, peixe todo dia está aumentando, além de estar difícil a pesca, camarão também está difícil, os pescadores estão nos dizendo. O peixe tradicional que mais bomba na praia é a violinha, e dizem que está muito difícil. Mas não tem como aumentar, se aumentar, piora — avaliou.

 

Picolé a até R$ 25

Em Capão da Canoa, os preços estão mais altos. O valor da maior parte das comidas e bebidas é o mesmo nos quiosques e junto aos vendedores que circulam pela areia. O tradicional milho, por exemplo, é encontrado a R$ 10 nas duas modalidades de venda – em Tramandaí, a R$ 8. Já a caipirinha é vendida a R$ 15 nas duas cidades.

No entanto, o produto que tem maior variação de preços é o picolé. GZH encontrou três marcas de sorvete oferecendo o produto. O mais barato é encontrado a R$ 8 em Capão da Canoa (e a R$ 5 em Tramandaí), nos sabores de frutas. Já o mais caro, com ingredientes que envolvem mais de um tipo de chocolate, é comercializado a R$ 25.

— Está tudo mais caro à beira da praia. Imagina um picolé custando mais de R$ 10. Aí tu volta para casa e o picolé é R$ 3 ou R$ 5 — reclamou a dona de casa Regina Maria da Silva Merencio, 65, que reside em São Leopoldo.

Entre os vendedores de picolé, há um consenso de que os preços não estão “doces”. Apesar disso, todos os tipos têm saída entre os veranistas, mesmo que em menor quantidade.

— Nós tentamos argumentar com o fornecedor, mas não adiantou. Perdemos muitos clientes, pois as pessoas comparam com Santa Catarina, que está mais barato — ressaltou o vendedor Ricardo Silva Figueiró, 63.

4888565_6dddb4da02bd8e2 Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
Em Capão da Canoa, os preços estão mais altos.   –   Lauro Alves / Agencia RBS

 

4888571_8a3d99604b9f388 Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
Picolé mais caro, com ingredientes que envolvem mais de um tipo de chocolate, é comercializado a R$ 25. Lauro Alves / Agencia RBS

4888804_8f582f8fdf9341d Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas

O tradicional milho é encontrado a R$ 10.   Lauro Alves / Agencia RBS

4888567_fc45b4c2aedffbd Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
O valor da maior parte das comidas e bebidas é o mesmo nos quiosques e junto aos vendedores que circulam pela areia. Lauro Alves / Agencia RBS

 

4888561_4c52df0d22ce586 Picolé a R$ 25? Preços altos na beira da praia dividem opiniões de veranistas
Queijo coalho é encontrado a R$ 10 nas praias gaúchas.    Lauro Alves / Agencia RBS

 

gauchazh.clicrbs.com.br

Onde Ir

Dicas de Onde Ir, na Serra ou no Litoral
Onde Ir