“Miguel foi torturado desde o começo do ano”, afirma madrasta sobre o assassinato de menino no Litoral Norte

Bruna foi interrogada por seus advogados de defesa; a ré negou participação no assassinato do menino Miguel. Juliano Verardi / TJRS

Bruna Nathiele Porto da Rosa, 26 anos, é uma das rés pelo assassinato do menino.

Após duas horas de duração, terminou o interrogatório de Bruna Nathiele Porto da Rosa, 26 anos, que é julgada pelo assassinato do menino Miguel dos Santos Rodrigues, sete anos.

A ré optou por não responder somente as perguntas da defesa de Yasmin Vaz dos Santos Rodrigues, 28 anos. A versão da madrasta é o oposto da que foi apresentada pela mãe. O depoimento iniciou às 20h38min.

Enquanto Yasmin alegou que sempre foi uma boa mãe, mas que isso só mudou com o relacionamento com Bruna, no qual teria se afastado do filho, a madrasta descreveu a então namorada como uma pessoa que já torturava o filho.

— Ela sempre se demonstrou uma pessoa bem agressiva. Ela pegou uma pimenta e colocou na boca dele — descreveu, sobre um dos castigos que teriam sido aplicados pela mãe.

Bruna disse que em mais de uma vez Yasmin espancou o filho. Num dos episódios, ela teria batido no garoto após ele comer um chocolate. O menino seria intolerante a lactose.

— Ela estava batendo com a cabeça dele na parede. Isso foi em 2020, logo quando a gente se conheceu — disse.

Bruna admitiu ter torturado Miguel psicologicamente, ter gravado vídeos ameaçando a criança e ter ajudado a levar o corpo do garoto até o rio. No entanto, alegou que não teve participação no assassinato do menino.

— Com a tortura e ocultação. Com a morte não. Ele foi espancado, foi torturado psicologicamente, e fisicamente e não comia. Matar eu não matei — disse.

Ao ser indagado sobre quem espancava Miguel, Bruna reiterou que era a mãe do menino.

— Pela Yasmin. Eu torturei ele psicologicamente. Nunca bati nele.

A madrasta chegou a citar os casos dos meninos Bernardo Boldrini e de Rafael Winques – garotos que também foram assassinados no Estado, em casos de repercussão. Bruna disse que após a morte de Miguel chegou a dizer que não queria que se transformasse num caso como o de Graciele, a madrasta de Bernardo, ou de Alexandra, a mãe de Rafael. As duas foram condenadas pelas mortes dos garotos.

 

Torturas

Sobre o fato de Miguel pouco deixar a primeira pousada onde viveu em Imbé, e não ter sido sequer visto no segundo local para onde se mudaram, Bruna disse que era em razão das torturas sofridas:

— Ele começou a ser muito torturado.

Bruna disse que a última imagem de Miguel, na qual o menino aparece bastante magro, pálido e com olheiras profundas, recebeu tratamento para “melhorar a imagem”.

— Ela queria mandar para a mãe dela, para ela pegar o Miguel — disse.

Sobre o vídeo no qual aparece ameaçando o garoto, dentro de um armário, afirmando que irá espancá-lo, a madrasta se defendeu dizendo que o vídeo foi forjado para assustar a mãe de Yasmin, para que ela buscasse o neto e ele fosse viver com ela, em Paraí, na Serra.

— Só foi gravado mesmo, não fiz. Para mandar a mãe de Yasmin, para ver a situação em que ele se encontrava, para ver se ela vinha buscar ele — alegou.

Bruna afirmou que Yasmin não alimentava o filho, e que torturava a criança de forma física e psicológica.

— Ele com as mãos amarradas para trás, ela falava que ele tinha dez minutos para comer no pote.

Segundo a madrasta, Miguel era obrigado a fazer as necessidades dentro de um armário e que eventualmente a mãe permitia que ele tomasse banho.

— Ela dizia que era uma forma de castigar ele. Começou com ela amarrando ele na cama, depois ela colocou dentro do guarda-roupas. Ela não queria que ele mexesse na comida — disse.

Ao ser questionada pelos promotores André Tarouco e Karine Teixeira sobre os motivos desse tipo de ação contra a criança, a madrasta voltou a dizer que Yasmin foi a responsável.

— Ela dizia que não gostava mais dele. O Miguel foi torturado desde o começo do ano.

A madrasta disse que a avó materna do menino não sabia das agressões e torturas sofridas pelo garoto.

 

O crime

Sobre a noite do crime, Bruna disse que Yasmin usou uma seringa para colocar o medicamento na boca da criança à força, após ele ter sido espancado. A madrasta afirmou que após os espancamentos chegou a indagar a companheira sobre o risco de o menino morrer.

— E se ele morrer? “Se ele morrer hoje, amanhã faz dois dias” — Bruna reproduziu o que seria uma fala de Miguel.

A madrasta disse que após ser colocado no guarda-roupas ferido no outro dia o menino teria chamado por Yasmin.

— Ele gritou “mamãe”. Mas ela não foi — disse a madrasta.

A ré alegou que foi Yasmin quem decidiu colocar o filho dentro de uma mala para se desfazer do corpo, e que o menino estava somente com 15 quilos.

— Ela botou dentro de uma mala, e foi largado no lago. Fui até lá, chegando lá, ela foi um pouco mais pra frente, jogou, e uma onda veio e levou ele — descreveu.

 

gauchazh.clicrbs.com.br

Quer ficar por dentro sobre as principais notícias do Brasil e do mundo? Siga o Serra e Litoral nas principais redes sociais. Estamos no Twitter, Facebook, Instagram e YouTube. Tem também o nosso grupo do Telegram e Whatsapp.

AS MAIS LIDAS

Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?

Olá, Seja bem-vindo!
Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?
𝐀𝐜𝐞𝐬𝐬𝐞, conheça e fique bem informado(a) dos acontecimentos do 𝐃𝐈𝐀-𝐃𝐈𝐀.

Osório na Web e Portal Serra e Litoral Juntos.
Segue o Link da Página

Página Osório na Web

Redes do Grupo Fortes Publicidade
Notícias atualizadas 24h.

Receba as principais notícias do Portal Serra e Litoral no seu WhatsApp