Jamais Deixe de Namorar

O grande risco do matrimônio é achar que a sedução está resolvida, que é para sempre, gerando uma acomodação da conquista.

Nunca deixe de namorar com quem você se casou.

Namorar é oferecer uma atenção diária, uma assídua afeição: a gentileza dos olhares demorados e os ouvidos em prontidão.

É manter a consciência de que estão ainda se conhecendo, com a curiosidade aliada das descobertas.

No namoro, existe uma indefinição positiva: como a relação pode terminar a qualquer momento, ela sempre cresce. O coração recebe um comando: tem que fazer por merecer, tem que valer a pena.

Não se pode cometer grosserias, não se pode mentir, não se pode enganar. A fiscalização passa a ser redobrada.

O futuro em aberto intensifica o presente, assim como a distância fabrica a saudade.

Você não erra por soberba ou indiferença. Não vai deduzir o que a pessoa irá dizer, lendo equivocadamente pensamentos; não vai acreditar que sabe tudo do outro, a ponto de se valer da telepatia; não completará as frases antes do seu término; não criará indisposições em relação a finais de semana e encontros com familiares e amigos.

O grande risco do matrimônio é achar que a sedução está resolvida, que é para sempre, gerando uma acomodação da conquista. Você se julga definitivo, não tendo nada a perder, muito menos a ganhar. Os meses se tornam monótonos, iguais, sem a frequência do desejo, sem a visita do arrebatamento.

Você não se esforça mais para o flerte ou para realizar programas diferentes, sob o pretexto da fartura, de que se encontram juntos e disponíveis na mesma casa 24h por dia. A facilidade pavimenta o tédio. Estão lado a lado e jamais conectados pela presença.

Namorar no casamento é, principalmente, não abdicar do beijo na boca. Não se contentar com o selinho, com o som do estalo, com o cumprimento seco dos lábios, na hora de chegar ou partir.

O beijo na boca é a autêntica aliança, o ouro que vinga, a certidão que não desbota. Só que me refiro ao beijo de verdade, de girar o corpo, o pescoço, o rosto, de dar susto e surpresa.

O beijo molhado é que une. Um beijo úmido por dia renova o amor. Aquele beijo com ânsia dos tempos apaixonados, que confirma a admiração, que tem o mesmo valor de uma carícia ou de um elogio.

O beijo sussurrado, em que você cheira a respiração do seu par.

O beijo solto e livre, que começa suave e aumenta o seu ritmo pouco a pouco, desprovido de previsão para acabar.

Não o beijo forçado, cinematográfico, cênico, de canto, fingido para a câmera ou para os filhos.

O beijo que encerra um segredo a dois, um sotaque do casal, que faz você se atrasar (o motivo é nobre) e perder a noção de onde está.

O beijo que toca uma canção interior, que lembra a música de que tanto gostam, que desperta a vontade de abraçar e dançar.

O beijo de língua não permite o vazio, a lacuna, o lapso. Desfaz as formalidades, que esfriam os laços e destreinam o corpo da aproximação. Serve para combater os gestos automáticos, a mecânica exaustiva das frases prontas. É a anistia das distrações, o perdão das críticas e das implicâncias.

Nunca deixe de beijar na boca quem você ama. É namorar eternamente, espontaneamente.

Casais que não se beijam mais já estão se separando.

 

gauchazh.clicrbs.com.br

Guia Serra e Litoral só R$ 20 POR ANO
Estamos em faze de lançamento, Anuncie Conosco preço promocional

Quer ficar por dentro sobre as principais notícias do Brasil e do mundo? Siga o Serra e Litoral nas principais redes sociais. Estamos no Twitter, Facebook, Instagram e YouTube. Tem também o nosso grupo do Telegram e Whatsapp.

Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?

Olá, Seja bem-vindo!
Você já acessou a nossa Página Osório na Web hoje?
𝐀𝐜𝐞𝐬𝐬𝐞, conheça e fique bem informado(a) dos acontecimentos do 𝐃𝐈𝐀-𝐃𝐈𝐀.

Osório na Web e Portal Serra e Litoral Juntos.
Segue o Link da Página

Página Osório na Web

Redes do Grupo Fortes Publicidade
Notícias atualizadas 24h.

Receba as principais notícias do Portal Serra e Litoral no seu WhatsApp

Notícias Relacionadas