Castelo misterioso intriga veranistas em Imbé

Castelo chama a atenção de veranistas na praia de Imbé | Foto: Mauro Schaefer

Prédio no estilo medieval atrai visitantes e gera curiosidades e histórias acerca da construção e de seu proprietário.

À beira-mar de Imbé, no Litoral Norte, existe um castelo.

A caracterização é completa: erguido em robustas pedras, tem duas torres, mastro de bandeira, janelas em arco e é protegido por uma muralha, com direito a um enorme e pesado portão de madeira digno das fortalezas medievais europeias e popularizadas pelo cinema norte-americano.

Construído com tamanha minúcia de detalhes, o prédio localizado em um terreno de esquina na avenida Beira-Mar, pertinho da Barra, virou cartão-postal e atrai turistas para fotos. É frequente a movimentação de pessoas curiosas sobre o castelinho e seu proprietário. “É muito diferente, lindo. É minha primeira vez aqui e fiz questão de tirar uma foto”, conta a corretora de imóveis Géssica Lauany Velasques, 24 anos, moradora de Lajeado, no Vale do Taquari.

O corretor de imóveis Francisco Barbosa da Costa tem 58 anos, mora em Imbé há nove anos e diz nunca ter visto os proprietários no imóvel. “Sei o que falam, que na maioria das vezes só tem um caseiro trabalhando.”, afirma.

“Eu estou aqui na praia faz uns trinta e dois anos, mais ou menos, e sempre chamou a atenção, principalmente os bonecos. Eu fico pensando quem é a pessoa que tá ali, né? Mas o melhor de tudo é a bandeira do Inter no mastro”, conta a aposentada Suzana Rodrigues, de Porto Alegre, destacando as estátuas da bruxa malvada e dos sete anões espalhadas pelo jardim da casa.

O proprietário de um dos quiosques próximos do castelinho revela que é comum ver movimento na construção nos fins de semana.

O comerciante, que pediu para não ser identificado, diz que dezenas de pessoas param em frente da construção estilizada para olhar. “Todo mundo tem curiosidade de saber o que tem lá dentro, tira fotos, é uma função o verão inteiro. O dono é bem reservado, conversa pouco, mas é bem na boa. Ele fica pouco aí (na propriedade), só nos fins de semana. Ontem mesmo (domingo) teve uns clientes do quiosque que deram sorte, o encontraram no portão e foram lá conversar”.

A secretária administrativa Cláudia da Costa, 23 anos, moradora de Tramandaí já teve a oportunidade de conversar com o proprietário da residência que ela classifica como exótica. Sobre o dono do imóvel, ela apenas confirma a cordialidade relatada pelo comerciante do quiosque. “Quando ele tá ali as pessoas passam para conversar, e ele atende de boas, a casa é um ponto turístico de Imbé”, resume Cláudia.

O vendedor José Roberto Santos da Silva, 45 anos, também conhece o dono da “fortaleza”. Ele vende redes e outros artigos artesanais à família. “Ele compra de mim desde 2015, todo verão sai alguma coisa. Hoje mesmo negociou uma manta de sofá comigo, é gente boa, paga sem pechinchar”, afirma Silva.

 

Os mistérios do castelinho

A curiosidade gera as mais diversas histórias sobre o imóvel. Contudo, não há nada de sobrenatural ou mítico na origem da construção, tampouco o espaço já tenha abrigado uma casa de festas ou guarda relação com o sobrenatural. E quem joga o balde de água fria no imaginário popular é o próprio dono do castelinho. “É só uma casa, nada demais”, sentencia.

Contrariando todas as expectativas, o “rei do castelo”, caminhava tranquilamente pela areia da praia e despercebido entre os plebeus na manhã da última quinta-feira. Trata-se de um senhor de idade e bastante simpático, na mesma proporção em que é reservado.

“A casa é, na verdade da família. Mas a turma quer saber, é?”, perguntou o homem, aos risos. Sem parar de caminhar, revelou ser um empresário da região de Passo Fundo, colorado de carteirinha, e que construiu o imóvel “há mais de 20 anos”. Depois, gentilmente encerrou a conversa:

“Não tem que ter publicidade, amanhã aparece um bandido na minha frente e quem paga o pato sou eu. Não é o lugar para fazer entrevista, nem pra visitar, é lugar de discrição, de família, por isso que a casa é tão segura”, comentou, fazendo referência aos muros e ao excessivo número de câmeras de vigilância visíveis nos quatro cantos da “fortaleza” litorânea que ergueu décadas atrás.

 

Correio do Povo

Onde Ir

Dicas de Onde Ir, na Serra ou no Litoral
Onde Ir